Guillaume Seignac






Da Espécie



A rosa atrai a rosa.
Por enredos e meandros
de essência.

A áurea rosa, a fulva, a rubra,
na expectativa da mais pura.
E são vergeis convergindo
para abertas campinas
na milenar procura
de uma fórmula mágica
paradigma da espécie.
Existe a branca, a nívea rosa
de perfeição una e perene
ou apenas a imagem
que deriva do anelo?
O aroma, a seiva, a força,
eu os sinto latentes
a presumir da forma para o enleio.
E entre mil rosas consagradas
à rendição do redil,
existe a rosa selvagem
que se reclina sobre o abismo.
A que vai ao acaso
de crisol em crisol
para que brote a transcendente
rosa com que sonha a rosa.

Henriqueta Lisboa

(in O Alvo Humano)

http://br.geocities.com/edterranova/henriquetapoe.htm


Um comentário:

roberta disse...

Sempre que venho aqui saio mais leve..
Bjs