Barnaby Whitfield



Barnaby Whitfield


Os trabalhos de Whitfield são ao mesmo tempo desesperançadamente românticos e contemporâneos. Seu trabalho simultaneamente revela inspiração do retratismo da era rococó e da publicidade contemporânea da moda. Ele mescla citações de velhos mestres com imagens pinçadas da internet. O resultado é um trabalho recheado com piadas próprias, que pertencem à psique do século XXI.  Os personagens de Whitfield são registrados em uma técnica pastel entre o suave e o sonho, com seus corpos brilhando em suas luzes internas, mas perversamente marcados por sinais doentios que fazem alusão à carne com hematomas, esfolados e ferimentos. Algo ameaçador parece se apoderar dessas belezas em pastel e as dicas narrativas são compulsivamente compostas para permitir ao expectador uma visão parcial, porém mantendo suspense até o fim. A indecifrabilidade do grande simbolismo pessoal de Whitfield começa a se quebrar em forma de dicas até a superfície das apropriações do artista, iluminando o desenvolvimento de seu vocabulário artístico pessoal.

Whitfield cava intimamente em suas próprias narrativas pessoais. Ele vem posicionando seus personagens em um universo contextual bizarro de visão única, onde mulheres explodem para fora de seus jorros de prazer, e as leis da terra são ditadas por um desavergonhado falocentrismo. Uma pulsante força da vida frequentemente emana da retaguarda para dar vida à presença do sujeito, proporcionando fisicalidade à infantil fascinação do artista por amor e horror.  O artista desempenha uma comprometida exploração do paradoxo da beleza na feiúra. 

Nascido em Miami, Florida, em 1972, Barnaby Whitfield vive e trabalha em New York, onde mantém uma reputação de “um caráter colorido com um passado que não é muito enquadrado" (Anthem magazine, 2008). O trabalho de Whitfield despertou muita atenção por meio de muitas exposições na 31 Grand Gallery, NY, além de ser exibido em muitos outros eventos. E mereceu análises em diversas publicações, incluindo Anthem, Beautiful Decay e Art in America.






Contato

  





 



 

 



Sob o Signo da Inquietação



O susto em nós foi avançar 
muito para dentro do proibido. 
Muito para perto de uma zona perigosa 
A boca da noite... o desconhecido... 
Vagos caminhos de uma via nebulosa. 


   
Vários conceitos para falar da mesma coisa 
O susto em nós foi descobrir porteiras 
de territórios nunca antes percorridos 
No fundo de todos nós um visitante 
No fundo, a falta de sentido... 


   
Visitantes de nós mesmos cometíamos 
a imprudência de quase enlouquecer 
Para chegar à compreensão. 
E uma coisa afiada nos conduzia 
através da trilha da poesia 
e do difícil trajeto da paixão....





Bruna Lombardi




3 comentários:

Belíssima Deusa. disse...

Quero parabenizar a ousadia de Barnaby Whitfield, por fazer uma arte descolada, alegre, erótica, crítica ao universo contemporâneo. A sexulidade, o desejo estã em pauta e agora é só embarcar nesta galeria suave da Fada do Mar.
Bruna Lombardi e suas poesias picantes, gostosas de serem lidas e assimiladas. Um liga saborosa e exótica, onde a música acompanha com magia e beleza.
Te admiro muito por nos brindar com licores inusitados e densos.

Alan Gaspar Fioretto disse...

Muito bom este tal de Barnaby Whitfield, uma arte despojada, inteligente e diferente destes que costumamos ver. Gostei muito e a parabenizo por trazê-lo para este espaço.
Bruna Lombardi linda e suave traz em seus versos a medida da mulher contemporânea inteligente e descolada. isto é muito pertinente.
Seu Espaço continua de excelência. Parabéns!

maria tereza disse...

parabens!!!!arte fantastica!!!!