Fidel Garcia








Ao Rosto vulgar dos dias


Monstros e homens lado a lado,
Não à margem, mas na própria vida.
Absurdos monstros que circulam
Quase honestamente.
Homens atormentados, divididos, fracos.
Homens fortes, unidos, temperados.

Ao rosto vulgar dos dias,
A vida cada vez mais corrente,
As imagens regressam já experimentadas,
Quotidianas, razoáveis, surpreendentes.



Imaginar, primeiro, é ver.
Imaginar é conhecer, portanto agir.


Alexandre O'Neill

2 comentários:

Lilás disse...

Grandes artistas nos dando lições de beleza e humanidade. Parabéns!

Fada do Mar Suave disse...

A todos os amigos que aqui passaram, o meu agradecimento e o meu desejo de tê-los sempre perto, deixando suas mensagens, para que a cada dia, este espaço fique mais belo e suave.

Com amor da Fada do Mar Suave.