Stefan Blöndal

 

  

  

  

  

  

  


Retorno


Sozinha,
como todos estão.

(há no sofrimento uma unicidade
que nos recompõe
doída
de alguma forma para esta vida)

nesgas de compreensão
tal como o avesso do véu
a solidão que se impõe
quinhão de todos

fardo que arrebata-me mais
do que ao outro
que não me reconhece?
(sempre)

e um saber de pele que se esvai
pois nunca haverei de te tocar
mais.

meu carinho liberto
retorna ao esconderijo
de mim
que se desfez em poucos anos
quando te estive.

(sempre)

mas só
sozinha.


Ana Paula Perissé


2 comentários:

Verana Salgado Teixeira disse...

Belissímo seu blog,lindas poesias, um encanto esta música, tema de filme, que gostei muito. Delirante arte!Sou fanática por músicas, artes e poesias. Este lugar é necessario em minha vida. Abraços

Fada do Mar Suave disse...

Ana Paula Perissé

Amiga querida e amada. Meus parabéns! Muitas felicidades hoje e em todos os dias de sua vida. Que Deus abençoe e ilumine seu caminho, trazendo paz, amor, inspirações e muita alegria.
Receba o carinho de todos os visitantes deste espaço e continue nos brindando com seus lindos poemas, sua beleza e inteligência.
Com muito amor da Fada do Mar Suave.