Alberto Pancorbo






Poema da devastação


Há uma devastação 
 nas coisas e nos seres, 
 como se algum vulcão
 
 abrisse as sobrancelhas
 
 e ali, sobre esse chão,
 
 pousassem as inteiras
 
 angústias, solidões,
 
 passados desesperos
 
 e toda a condição
 
 de homem sem soleira,
 
 ventura tão curta,
 
 punição extrema.

Há uma devastação 
 nas águas e nos seres; 
 os peixes, com seus viços,
 
 revolvem-se no umbigo
 
 deste vulcão de escamas.

Há uma devastação 
 nas plantas e nos seres; 
 o homem recurvado
 
 com a pálpebra nos joelhos.
 
 As lavas soprarão,
 
 enquanto nós vivermos.
 


Carlos Nejar

6 comentários:

Kátia Torres disse...

Belíssimoooooooooooooooo...........amei!!!!!!

Vanessa Carina Neri disse...

Maravilha que emociona! Venho aqui todos os dias para encher meu coração de beleza e alegria.
Adorei Alberto Pancorbo e Carlos Nejar. O slide e a música são lindas. Parabéns, Fada!

Ana Paula Mascarenhas disse...

A boa música é uma linda poesia, que toca nossa alma.Excelente artista e excelente poeta.
Luz e amor para você!

Alminha Iluminada disse...

Lindo demais! Amei!

Alminha Iluminada disse...

Lindo demais! Amei!

Fada do Mar Suave disse...

Agradeço ao artista Alberto Pancorbo que gentilmente autorizou a postagem de sua arte neste espaço. Sua página está bela e significativa. Sua arte nos emocionou.
Agradeço a oportunidade de ter as poesias de Carlos Nejar para nosso deleite, adorei postá-las. E a todos os amigos que participaram o meu sincero agradecimento. Volte sempre, que aqui tudo é feito com carinho para você.
Beijos da Fada do Mar Suave.