Alberto Pancorbo










Clara onda


Este amor  em meadas e triciclos 
 que nunca se divide, confluindo 
 e torna noite este sapato findo
 
 e o firmamento, silencioso ciclo.

Este amor em meadas, infinito. 
 Em meadas de orvalho, desavindo, 
 em meadas e quedas, rugas, trincos
 
 e  rusgas, trinos, pios e sóis contritos.

Este amor me retece e configura. 
 Tem pressa de crescer, fogo calado. 
 Apenas queima, quando não se apura.

Parece interminável, quando tomba. 
 E só se apura, quando despertado. 
 Dissolvido me solve em clara onda.


Carlos Nejar

3 comentários:

Ana Paula Mascarenhas disse...

Amei esta postagem. Parabéns!

Alminha Iluminada disse...

Amei o beijo na boca!

Fada do Mar Suave disse...

Agradeço ao artista Alberto Pancorbo que gentilmente autorizou a postagem de sua arte neste espaço. Sua página está bela e significativa. Sua arte nos emocionou.
Agradeço a oportunidade de ter as poesias de Carlos Nejar para nosso deleite, adorei postá-las. E a todos os amigos que participaram o meu sincero agradecimento. Volte sempre, que aqui tudo é feito com carinho para você.
Beijos da Fada do Mar Suave.