Franz Marc


Franz Marc

Franz Marc, nascido Franz Moritz Wilhelm Marc (Munique, 8 de fevereiro de 1880 - Gussainville, 4 de março de 1916), pintor alemão, foi um dos mais influentes representantes do movimento expressionista na Alemanha.
Filho de Wilhelm Marc, um pintor profissional de paisagens e de Sophie Marc, uma estrita calvinista, descendente dos huguenotes que se estabeleceram na Alsácia, decidiu iniciar seus estudos na Academia de Belas Artes de Munique, em 1900, depois de passar pela filosofia e pela teologia. Suas primeiras criações foram paisagens, de estilo naturalista. Graças ao seu excelente domínio do francês, que lhe fora transmitido pela mãe, durante duas temporadas que passou em Paris (1903 e 1907), descobriu o impressionismo e
, sobretudo uma grande afinidade com a obra de Vincent Van Gogh.
Em 1910, fez amizade com os pintores August Macke, Gabriele Münter e Wassily Kandinsky. Com eles e outros pintores dissidentes do movimento Neue Künstlervereinigung, fundou o grupo Der Blaue Reiter ("O cavaleiro azul"), em 1911.
Influenciado pelo uso da cor de Robert Delaunay, gradativamente sua obra se aproxima do futurismo e do cubismo e para a crescenteabstração, até culminar na abstração expressiva. O tema é a força vital da natureza, o bem, a beleza e a verdade do animal, que o autor não vê no homem.
Marc sentia-se intimamente ligado aos animais e tentou representar o mundo tal como o animal o vê, mediante a simplificação formal e cromática das coisas. Usa cada cor para denotar um significado: azul para a austeridade masculina e o espiritual; amarelo para a alegria feminina; vermelho, para a violência.
Na Primeira Guerra Mundial, Franz Marc apresentou-se como voluntário. Em 1916, em Gussainville, nas proximidades de Verdun, foi abatido por um obus, quando realizava missão de reconhecimento. Morreu aos 36 anos








QUE MAIS EU TE POSSO DAR ?


Trago-te um ramo de rosas
e um pote de framboesas.
Um pôr-do- sol depois da chuva
junto com as minhas tristezas.

Que mais eu te posso dar?

Dou-te a relva da campina
ainda fresca e orvalhada.
Te trago a primeira estrela
que nascer na madrugada.

Que mais eu te posso dar?

Dou-te uma salva de prata
cheia de conchas do mar;
um bando de borboletas
...ou um raio de luar?

Que mais eu te posso dar?


£una


Mariza Alencastro

Apenas alguém que pensa demais. Mas não aponto de se estressar. Gosto das coisas boas da vida, sorvete de abacaxi, minha rede na varanda e longas conversas noite adentro com pessoas que têm alguma coisa a dizer. Sou baixinha, e não como carne, será por isso que não cresci? hehehe Adoro manga, goiaba e melancia, filmes românticos,filmes de suspense, drama, enfim adoro filmes, e todo dia estou lá na frente da TV vendo alguns dos meus vídeos favoritos//

http://mareseluares.blogspot.com/

3 comentários:

A dúvida da ovelha disse...

Um blog que enche os olhos de emoção. Parabéns pelos artistas escolhidos.

katerine-zucon disse...

Parabéns Fada por este trabalho tocante e cheio de emoções.

Fada do Mar Suave disse...

Agradeço de coração a poeta Luna que contribuiu para enriquecer e encantar esse espaço. E a todos os amigos que aqui passaram e deixaram seus comentários.
Amo sua presença e volte sempre! Beijos da Fada do Mar Suave.