Renato Guttuso



Renato Guttuso



O siciliano Renato Guttuso (1912-1987) nascido em Bagheria, trocou a idéia de uma licenciatura em Direito pela carreira como pintor. Seu primeiro período mostra suas primeiras pinturas representando os camponeses de sua terra natal.  Depois,ele adotou um estilo puramente figurativo, com temas firmemente enraizados no mundo rural camponês, com uma propensão para as questões sociais e temas abertamente políticos.
Quando a Segunda Guerra Mundial estourou, Guttuso produziu uma série de pinturas intitulada Gott mit Uns - Deus conosco - , o lema gravado nas fivelas dos cintos dos soldados alemães ". O artista nunca traiu seus ideais, que culminaram no manifesto antifascismo I funerali di Togliatti. Após a guerra, modelou seu estilo, no início chamado de Pablo Picasso "período azul". Em 1946, fundou o Fronte Nuovo delle Arti, com Birolli, Vedova, Morlotti, Turcato.
Suas pinturas refletiam a situação na Europa, particularmente na França.Em Paris, pintou os alunos nas marchas de protesto em primeiro plano, no que seria lembrado como o maio parisiense. A partir de 1969 morou em Roma, na Via Margutta, com a sua companheira Marta Marzotto, que marcou o início de seu período introspectivo. Ele embarcou em uma série de pinturas autobiográficas, incluindo uma de suas maiores obras-primas, Strega Melancolia, pintado em 1982.
Guttuso viveu um período marcado por enormes modificações sociais e culturais, tendo desempenhado um papel de liderança em todas elas. Seu estilo figurativo, no entanto, permaneceu notavelmente consistente. No fundo, ele estava sempre inspirado por sua exuberante e luminosa Sicília. Suas pinturas expressam sua humanidade através de uma espécie de plasticismo tortuoso. As formas humanas são tensas, nervosas, mas sempre reconhecíveis, que ele comprime em suas telas onde encarnam todo o sofrimento no mundo.






  
EPIDERME EXILADA DE SI 
 
 
Nenhum sol, minério ou latência do casulo:
só o silêncio duplicado em orquídea, 
occipital do neblí que desinventa a metáfora 
de uma estrela..
 
                        2005
 
Claudio Daniel
 

Claudio Daniel

Poeta. Tradutor. Ensaísta. Magro. Irônico. Mestre em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP). Praticante de Tai Chi Chuan e de Aikidô. Publiquei, entre outros títulos, os livros de poesia Sutra (1992), Yumê (1999), A sombra do leopardo (2001), Figuras Metálicas (2005), Fera Bifronte (2009) e Letra Negra (2010). No campo da ficção, publiquei o livro de contos Romanceiro de Dona Virgo (2004). Como tradutor, publiquei a antologia Jardim de camaleões, a poesia neobarroca na América Latina (2004), entre outros títulos.





3 comentários:

Alminha Iluminada disse...

Dois grandes talentos que trouxe luz e poesia para minha vida hoje.
Amo este espaço azul da Fada do Mar.

A dúvida da ovelha disse...

Uma grandeza de artistas que nos honram com suas artes. Parabéns!

Fada do Mar Suave disse...

Claudio Daniel agradeço sua gentileza em contribuir com o Blog. Suas poesias emocionaram e encantaram neste espaço. A todos os amigos que por aqui passaram um forte abraço e venham sempre que a casa é sua. Com muito carinho da Fada do Mar Suave.