Robert Liberace






Corpo

corpo
que te seja leve o peso das estrelas
e de tua boca irrompa a inocência nua
dum lírio cujo caule se estende e
ramifica para lá dos alicerces da casa

abre a janela debruça-te
deixa que o mar inunde os órgãos do corpo
espalha lume na ponta dos dedos e toca
ao de leve aquilo que deve ser preservado

mas olho para as mãos e leio
o que o vento norte escreveu sobre as dunas

levanto-me do fundo de ti humilde lama
e num soluço da respiração sei que estou vivo
sou o centro sísmico do mundo

Al Berto


4 comentários:

Murilo Anderson disse...

Neste espaço de rara beleza e encantamento que promove a beleza é um bálsamo para nossas almas e ficamos cheios do mais puro amor.
Abraços do Murilo

Anônimo disse...

Uma viagem pelo mundo das artes!!!

Anônimo disse...

adorei, viajei. nos corpos detalhes dos pincéis que enxergam além. bjussssss

Fada do Mar Suave disse...

A todos os amigos que aqui passaram, o meu agradecimento e o meu desejo de tê-los sempre perto, deixando suas mensagens, para que a cada dia, este espaço fique mais belo e suave.

Com amor da Fada do Mar Suave.