Tomasz Rut







GIRA

eu te chego
todos os dias
e vejo de lá
um ipê amarelo
de uma linda mulher
ainda em flor

e eu te parto
todos os dias
sinto um tremor
de serra
a cada vez que as folhas
 caem
porque ainda nem ventou
em mim

eu não te sei
são muitas as voltas
tantos os voos
insones
tantas terras
porque o paraíso está
defronte
d´1olhar
que tive só por 1dia
de relâmpago

                                      gira entre-mundos
e eu te fico
sob o parapeito da janela
em frangalhos
quando chegam os fantasmas
de vidro

(eles não deixam marcas
apenas dores sem pistas
numa moldura estelar)

Ana Paula Perissé 

2 comentários:

Anônimo disse...

BRAVO!!!!!!!

Fada do Mar Suave disse...

Querida poeta Ana Paula Perissé
Como é bom postar suas poesias para que todos que aqui passam possam usufruir destes maravilhosos sentimentos tão bem colocados por você. Sua poesia toca tão profundamente nossa alma que deixa-nos extasiados e nos levam a reflexões sobre nossas existências. Agradeço sempre sua amizade que amo e respeito. A arte de Tomasz Rut ficou divina com seus escritos e a ele agradeço pela beleza que nos surpreendeu e encantou.
A todos os amigos meus agradecimentos, voltem sempre, e o meu desejo de muita paz e alegria em suas vidas.
Com muito amor da Fada do Mar Suave.