Mark Spain







Sonhei contigo: um olhar, o teu corpo alucinante esmagado sobre o meu, a tua figura engolida pela noite e pelo vento no terraço da casa da praia. A neblina colorida do mar mediterrâneo. Ela, que eras tu, afastando-se e aproximando-se, vezes sem conto, sorrindo leve. Acordei e chorei. As nuvens vão mais do que vêm. Canto e choro e recordo cada um dos nossos instantes na casa do amor. Desejo-te com ternura. São gémeas a chama e a flor, a paixão e a amizade. E digo-te. E respondes: “Amo-te com a mesma loucura mas agora mais sabiamente.” Não entendo.

Casimiro de Brito 

2 comentários: