Vincent van Gogh







Angústia




Nas humildes e tristes letras que escrevo
Errantes e tremidas no papel
Sua imagem invade minha alma
A saudade é um terror
Uma angústia negra invade o meu peito
Melancólico respiro fundo e repetidamente... acho que...
Vai explodir... vai explodir...
Toco o ar e ele me falta
Apego-me a água
Ela molha meu espírito e minha tristeza
Em um peito cansado da respiração
Percebo a inutilidade do sossego,
Obsessivamente, faces e mais faces passam como quadros em minha mente
Preciso esquecer...
Respirar...
Sobreviver...
É necessário e obrigatório esvaziar
Longe da vida, não há porque esperar a explosão,
Se ela vier,
Salva-me Senhor!


Lúcio Alves de Barros


Um comentário:

Fada do Mar Suave disse...

Poeta Lúcio
Quero agradecer-lhe a nossa amizade, a sua contribuição com teus lindos versos, que tanto emociona a todos que lêem. Recebo com freqüência comentários apreciando e elogiando sua forma inteligente e corajosa de se expressar. Dizem, e eu concordo que seus escritos saem de sua alma direto aos nossos corações.
Você faz parte desta morada poética, iluminando com seu brilho que irradia. Deixando, assim, nossa morada povoada de vida que canta, encanta os seus mistérios e magias.
Com muito carinho da Fada do Mar Suave.