Renso Castañeda Zevallos







POR PARTES


Vamos por partes.
Por partes eu não vou.

Vamos pelo todo.
Pelo todo não desejo ir.

Vamos por onde?
Temos que ter para onde ir?

Por quê não?
Não é melhor a insegurança?

Tem medo dela?
Vamos viver
Deixar a chuva banhar o medo,
Levar a esperança, lavar a perseverança, respingar a temperança
O sol nos observará e secará
Então deixe os cabelos livres, não há porque penteá-los

Vamos colocar os pés no chão
Sentir a terra
O Cheiro da chuva
Amar a lua,
Fazer sexo com o sol

Vamos nos trabalhar, beijar, abraçar, apertar os corpos
Vamos viver a vida, sem cobranças, mandos, desmandos e perfídia
Vamos viver, tatear, tocar, sugar, lembrar de tudo e do tempo que
             não passa
Antes que a morte e a velhice nos batam à porta e nos leve para o
            Todo ou para as partes.


Lúcio Alves de Barros

2 comentários:

Lilás disse...

"A finalidade da arte é dar corpo à essência secreta das coisas, não é copiar sua aparência."
(Aristóteles)


Parabéns pelo belo trabalho que realizam em prol da Arte, dos Artistas, e da Cultura entre o nosso povo. Minha admiração e parabéns!
Chuva Lilás

sarahaline.morais disse...

Suaves percepções!
Telas que enchem de luz as retinas! Poesias que tocam a alma!
Parceria Feliz e Encantadora com o Sensível e Assertivo poeta Lúcio!!!!

Parabéns Fada!


Abraços cheios de carinho e admiração!