Orlando Hernández Yanes








Madrigal Melancólico 


O que eu adoro em ti,
 
Não é a tua beleza. 
A beleza, é em nós que ela existe. 
A beleza é um conceito. 
E a beleza é triste. 
Não é triste em si, 
Mas pelo que há nela de fragilidade e de incerteza. 

O que eu adoro em ti,
 
Não é a tua inteligência. 
Não é teu espírito sutil, 
Tão ágil e luminoso, 
Ave solta no céu matinal da montanha. 

Nem é a tua ciência 
Do coração dos homens e das coisas. 
O que eu adoro em ti, 
Não é a tua graça musical, 
Sucessiva e renovada a cada momento, 
Graça aérea como o teu próprio pensamento, 

Graça que perturba e satisfaz. 
O que eu adoro em ti, 
Não é a mãe que perdi, 
Não é a irmã que já perdi, 
e meu pai. 

O que adoro em tua natureza, 
Não é o profundo instinto maternal 
Em teu flanco aberto como uma ferida. 
Nem a tua pureza. Nem a tua impureza. 
O que eu adoro em ti - lastima-me e consola-me! 

O que adoro em ti, é a vida. 


Manuel Bandeira

8 comentários:

Kátia Torres disse...

Que poesia linda! Tinha que ser do Bandeira, adoro este poeta..... abraços Fada.... abraços...

Wado disse...

Fada,
Bandeira é meu poeta predileto.
Que bonito ficou ele sob essas obras..
Como sempre, perfeito.

bjos.w

Grêmio - IMORTAL sempre disse...

Que poesia e que arte perfeitas!

katerine-zucon disse...

Um artista e um poeta geniais. Deixaram marcas para a eternidade. Excelente!

katerine-zucon disse...

Um artista e um poeta geniais. Deixaram marcas para a eternidade. Excelente!

katerine-zucon disse...

Um artista e um poeta geniais. Deixaram marcas para a eternidade. Excelente!

Luis Paulo Mariano disse...

Parabéns por momentos tão belos e expressivos que leva os visitantes a uma transcendência.

Cida Gaiofatto disse...

Madrigal melancólico é Divino!
E ficou mágico com esta arte em branco e preto...A-me-i-!!!!
Beijos, minha querida!

GaiÔ.