Dorina Costras






Cotidiano


Quando as palavras amanhecem teimosas,
adultas demais, (des)espero desatenta
pelo correr da vírgula.

Distraio rimas,
minimizo espaços.
Finjo que não ardo.

Desarmo.

É dentro desse silêncio descalço
que a poesia me põe na linha...


Priscila Rôde

2 comentários:

Marluce Santiago Braz disse...

Lindo o trabalho de Dorina Costras, quanta delicadeza.Amei as cores e as mulheres são divinas. Que textos doces e verdadeiros!
Adorei o post!
Beijos

Fada do Mar Suave disse...

Quero agradecer a autorização e o carinho da poeta Priscila Rôde, que encantou com sua poética e sua delicadeza, e à artista plástica Dorina Costras, que trouxe sua arte brilhante, linda e que emocionou a todos que aqui passaram.
Agradeço a cada amigo que entrou aqui, a cada carinho recebido, aos gestos de incentivo que fazem com que continue neste caminho, sempre em busca de algo especial que alegre a alma e anime nossa existência.
Com amor da Fada do Mar Suave.