Willi Kissmer


Willi Kissmer

Willi Kissmer nasceu em Duisburg, Alemanha, em 1951. Multi-talentoso enquanto jovem, não havia se decidido entre as artes plásticas ou a música. Estudou em Folkwangscule, Universidade de Essen, e depois na Universidade de Duisberg. Quanto à sua música, Kissmer tornou-se um reconhecido guitarrista e já gravou três álbuns.
Embora sua arte seja relativamente nova para a América do Norte, o artista não é estranho no continente, assim como na Europa, a antiga União Soviética e a Ásia, por onde já viajou bastante.  Descrito como mestre contemporâneo, Kissmer já foi representado por galerias e museus da Califórnia a Leningrado.
O artista aplica combinações de técnicas em seu trabalho. Um leque de tons quentes e limites eletrizantes marcam seus temas, ligando a arte de Kissmer a uma longa tradição de realismo na pintura européia. A base de sua arte está na paixão pela natureza morta, combinando elementos da figura feminina, objetos do dia a dia e arquitetura residencial. Um sentido de observação elevada com refinada simplicidade cria obras que se movimentam sem ser convencionalmente belas, mas que estimulam e confrontam.


Contato:
Willi Kissmer
Rheinanlagen 12
47198 Duisburg

Fon: 02066 - 1626
Fax: 02066-12040
info@willikissmer.de








XVI


abandonar tudo. conhecer praias. amores novos.
poesia em cascatas floridas com aranhas
azuladas nas samambaias.
todo trabalhador é escravo. toda autoridade
é cômica. fazer da anarquia um
método & modo de visa. estradas.
bocas perfumadas. cervejas tomadas
nos acampamentos. Sonhar Alto.

Roberto Piva



Roberto Piva nasceu em São Paulo, 25 de setembro de 1937. É um poeta brasileiro,
frequentemente classificado como um "poeta maldito" e, de fato, sua poesia evoca muitos poetas que são tradicionalmente considerados malditos, citando-os nominalmente grande parte das vezes. É o caso de Álvares de Azevedo, Antonin Artaud, Arthur Rimbaud, Marquês de Sade, Pier Paolo Pasolini, entre outros. Jorge de Lima também está presente na dicção de Piva, que dedicou a ele o poema "Jorge de Lima, panfletário do Caos", do livro Paranóia.
Poetas mais canônicos, como Fernando Pessoa, Federico Garcia Lorca e Walt Whitman também influenciaram o poeta.
Roberto Piva logo se destoou como uma das vozes mais originais da poesia paulistana. Adepto do surrealismo e influenciado pela geração beat, Piva escreve a cidade de São Paulo com um olhar altamente erotizado, acompanhado pela experiência com narcóticos e alucinógenos.
No contexto das escolas literárias, a obra de Piva evoca experiências do Romantismo, Simbolismo, Surrealismo e da Geração Beat. Roberto Piva também é um grande leitor de literatura italiana, especialmente da obra de Dante Alighieri.
O poeta parece não ter tido qualquer contato com os concretistas paulistanos dos anos 1950 e, apesar de ter sido incluído na antologia 26 Poetas Hoje, também não teve experiências como as da chamada Geração mimeógrafo.
Em seus livros mais recentes, é grande a presença do xamanismo.




4 comentários:

Alminha Iluminada disse...

Parabéns aos dois grandes talentos na arte e na poesia. Maravilhosos!

A dúvida da ovelha disse...

Tanto a arte quanto a poesia é magnânimo. Autores de primeira grandeza. Amo este lugar que traz tanta cultura e sabedoria a todos nós visitantes. Parabéns!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Kátia Torres disse...

Espiei o seu blog, cada dia mais lindo... amo a foto da Myriam Coelli e do O. Heinze... e a obra do Sérgio Niculitcheff... tudo de bom gosto.... !

Maria Clara Biscuola Julião disse...

uma maravilha encontrar poetas deste nível em um só lugar. aqui já é referência pra minhas buscas. a galeria de artes é belíssima é única. um blog revelador e cheio de surpresas. adorável! bjs