Willi Kissmer




Poema Porrada



"Eu estou farto de muita coisa

não me transformarei em subúrbio

não serei uma válvula sonora

não serei paz

eu quero a destruição de tudo que é frágil:

cristãos fábricas palácios

juízes patrões e operários

uma noite destruída cobre os dois sexos

minha alma sapateia feito louca

um tiro de máuser atravessa o tímpano de

duas centopéias

o universo é cuspido pelo cu sangrento

de um Deus-Cadela

as vísceras se comovem

eu preciso dissipar o encanto do meu velho

esqueleto

eu preciso esquecer que existo"



Roberto Piva
Fragmento do "Poema Porrada"

3 comentários:

Wado disse...

Que poesia mais intensa e forte e aguda.
E que bonita!

Como sempre imagem e palavras se abraçam..
obrigado...
parabéns...bjos.w

A dúvida da ovelha disse...

lindo! extasiante!

Wado disse...

Que poesia mais intensa e forte e aguda.
E que bonita!

Como sempre imagem e palavras se abraçam..
obrigado...
parabéns ...bjos.w