Catherine Abel










A HISTÓRIA DE LÁZARA


Pensou-se que tivera levado
a vida a cabo.
Foi dada como morta.
Mexeu o braço.
Mexeu a perna.
Abriu os olhos.
Ressuscitou!

Demorou-se além da conta.
Quando chegou,
o jardineiro já tinha passado.
Perdeu a poda
do entardecer.

Os médicos disseram
tratar-se da síndrome de Lázaro.
A filha, de milagre.

Agora vai ser flor
por mais algum tempo.

Ou fardo, quem sabe?


Oswaldo Antônio Begiato

Um comentário:

Fada do Mar Suave disse...

Oswaldo Antônio Begiato, grande poeta e querido amigo, agradeço sua gentileza em contribuir com o Blog. Sua página é sempre um sucesso, pois suas poesias a todos encantam e emocionam e sua presença marcante traz brilho a este espaço. Logo faremos uma nova jornada poética, para o deleite de nossos amigos visitantes.
Com muito carinho da Fada do Mar Suave.

Aos amigos visitantes meu eterno carinho, pois são suas visitas que me estimula a continuar buscando pelo licor do belo para brindarmos juntos.
Beijos a todos com muito amor.