Arthur Braginsky









Ao cristalino distante


Amo... amo àquele que me vem e não conheço.
Amo aquele que me vem e não defino.
Amo este que me bate à porta e me traz a incerteza.
Amo sua doença, seu bem-estar, sua cor, sua tez, sua insensatez.
Amo quando entende minha impulsividade em tentar entender.
Inclusive, sua gesticulação e sobrecenho.


Amo a diferença, a falta de confiança e a dificuldade de estar ao lado.
Acima de tudo, amo esta vida que nos tracejou caminhos em comum
Amos seus olhos castanhos-brilhantes-lampejantes!
Amo seus escritos, sua contribuição à vida!
E esta que aparece em pequenos lampejos aos olhos do meu cristalino distante.

Eia, Terra errante, eia e avante! 
Somos grãos de areia, tu és grande enquanto partilhas, tu és o que me faltava nos dias desditos.
Obrigada!


Ao poeta escolhido dos dias!

Saúde e alegria!



Kátia Torres Negrisoli






2 comentários:

Nicolas disse...

Magia e fantasia!

Fada do Mar Suave disse...

Kátia é uma alegria imensa postar suas poesias que a todos emocionaram e encantaram. E a arte belíssima de Arthur Braginski iluminou este espaço, a você Arthur todo o meu respeito e admiração. Obrigada!

Agradeço aos amigos que nos visitaram, deixando seus comentários estimulantes. Isso é energia para todos nós, principalmente os poetas e artistas que apresentamos. Voltem sempre, é um prazer enorme encontrá-los a cada postagem.
Com todo o carinho,

Fada do Mar Suave