Arthur Braginsky








Eterno


Convido ao Eterno para retornar à partida.

Ao efêmero formas reduzidas.
Ao passageiro serestas funestas.
Alvissareiro digo ao além dos ares..............
Pinta-me de todas as cores, fugi do arco-íris, sou celeste sem forma.
Sou agreste, retorno.

Pinto as estrelas no espaço branco.
Prateio o pranto, brinco com o prato.
Lavo a mancheias, àquele que serpenteia.
Enfeito,louvo, rogo, engulo, permaneço e parto.


Kátia Torres Negrisoli

4 comentários:

Wado disse...

Boa Noite, Fada!

realmente, muito suave..
tudo, muito suave..
obrigado..bjos.w

Nicolas disse...

Lindo!

Tânia Bueno - MG disse...

É só para dizer que amo este Blog!!!

Linda poesia e galeria de artes.

Fada do Mar Suave disse...

Kátia é uma alegria imensa postar suas poesias que a todos emocionaram e encantaram. E a arte belíssima de Arthur Braginski iluminou este espaço, a você Arthur todo o meu respeito e admiração. Obrigada!

Agradeço aos amigos que nos visitaram, deixando seus comentários estimulantes. Isso é energia para todos nós, principalmente os poetas e artistas que apresentamos. Voltem sempre, é um prazer enorme encontrá-los a cada postagem.
Com todo o carinho,

Fada do Mar Suave