Lauri Blank




Lauri Blank
Lauri Blank estava destinada a ser um espírito criativo com uma paixão incendiária pela arte. Criada por uma mãe artista, que cursou escola de design em New York, e avós que são músicos ainda em atividade (tem mais de 80 anos), Lauri esteve constantemente engajada pela criatividade e expressão artística, a fundação de uma futura carreira nas artes. 
Criança prodígio, ganhou prêmios desde os 7 anos, convite para expor desde os 12 e tornou-se modelo aos 14. Enquanto aparecia em capas de revistas, também cuidava de suas habilidades. Experimentando coisas novas, tornou-se estilista de moda em Bogotá, na Colômbia. Lauri retornou aos EUA e abraçou a carreira de pintora em tempo integral. "Senti a necessidade de criar algo novo todo dia, fosse uma pintura, um design de interiores ou música clássica. Não seria possível fazer isso em moda porque, depois do sucesso, o negócio se tornava cada vez mais produção e cada vez menos criatividade”, afirmou.
Blank descobriu-se naturalmente atraída pelo imaginário de complexidades da forma humana. Ela focava especialmente na forma feminina, aprendendo a capturar sua própria essência em tela. Sem a inibição do treinamento formal ou convencional, seu talento adquiriu vida própria. O apelo de sua arte é atemporal. A artista não utilize modelos vivos, valendo-se apenas de sua imaginação. Chama seu estilo de figurativismo romântico.



http://blankstudio.com/index.html







Espelho do que sou

Não sei o porque de não gostar do espelho
Devo no fundo desse abismo me odiar
Talvez nada merecer
Conquistar

Vira e mexe um corvo teima em posar nos meus duros ombros
Fico meio de lado e as costas doem
Acabo me achando mais feio do que sou
E quebrar o espelho seria uma saída meio infantil

Dentro de mim eu grito
Um choro, por vezes, alto está no meu fígado
E uma trombeta gigante berra no meu peito
Que peso é esse que carrego?

Em qual parte de mim posso encontrar algo?
Não sei e não tenho ciência se desejo algo encontrar
Posso não reconhecer ou não gostar do que sou
E viver para sempre procurando-me nesse espelho.


Lúcio Alves de Barros



Poeta

Lúcio Alves de Barros
Belo Horizonte/MG – Brasil

* Lúcio Alves de Barros é licenciado e bacharel em
Ciências Sociais pela UFJF, mestre em Sociologia e doutor
em Ciências Humanas: Sociologia e Política pela UFMG.
É autor do livro “Fordismo: origens e metamorfoses”.
Piracicaba, SP: Ed. UNIMEP (Universidade Metodista
de Piracicaba), 2004, organizador do livro
 “Polícia em Movimento”. Belo Horizonte: Ed. ASPRA, 2006,
co-autor do livro de poesias, “Das emoções frágeis e efêmeras”.
Belo Horizonte: Ed. ASA, 2006 e organizador da obra
“Mulher, política e sociedade”. Brumadinho: Ed. ASA, 2009.

Lúcio Alves de Barros






Livro
Das emoções frágeis e efêmeras
Antônio Henrique Vilela
Lúcio Alves de Barros
2006

5 comentários:

Kátia Torres disse...

Parabéns, Fada... mais uma excelente combinação! Abraços...

Kátia Torres disse...

Amei esta poesia "Espelho do que sou"...muitas vezes temos dificuldade de trabalharmos com este objeto, pois presentifica e identifica o ser.

Abraços, Lúcio!

katerine-zucon disse...

Poeta Lúcio
Que bom ter você aqui! Abraços!

Hugo Victor disse...

Bela iniciativa essa a sua em divulgar poetas e artistas plásticos. Aprecio muito este tipo de arte e irei prestigiar muito. Um beijo, abraço e sucesso!

Fada do Mar Suave disse...

Poeta Lúcio Alves de Barros, agradeço sua gentileza, delicadeza em contribuir com o Blog. É sempre uma emoção fazer sua página e suas poesias tocam o coração de todos que a lêem. Sua presença é sempre uma dádiva divina.
A arte de Lauri Blank é belíssima, enche os olhos de belezas e a alma de visões mágicas.
Sou grata a vocês amigos que nos visitam e deixam mensagens carinhosas aos artistas que iluminam este espaço.

Com carinho da Fada do Mar Suave.