Eugenijus Konovalovas






espera


e eu me vou
em vagas de vida
por aí
paradeiro em suspenso
sem tua fronte
a me dar um pouco
de luz

vagueio em ritmos
náufragos
ora vens
ora vou
sem teto
sequer uma ilha
no céu em nuances
floresta em névoa

viva

e eu me estremeço
de medo
ou de não saber
até quando
vem maré assim
ou mais calma

e eu me perco
em cada instante
pulso sem pulso
batidas a guiar-me
sombras
de intenso querer-nos

loucos.



 Ana Paula Perissé

2 comentários:

Iris disse...

Leve na forma. Denso a cada palavra.

Fada do Mar Suave disse...

Agradeço muito a participação da poeta Ana Paula Perissé e do artista Eugenijus Konovalovas, que trouxeram luz e brilho para este canto. Artistas sensíveis e inteligentes, que tocam a sensibilidade daqueles que tem o privilégio de ter contato com suas poéticas. E aqui neste espaço temos o prazer de conhecer e apresentar a alma de seus trabalhos. É muito bom e importante contar com a presença dos amigos que vem sempre nos visitar e deixam suas impressões sobre a arte nos animando a continuar nesta estrada.
Com muito carinho da Fada do Mar Suave.