Anke Merzbach








Cegueira de Pele



Há de fechar os olhos
e nos ver
a clareza do táctil numinoso.



Há de cerrar pálpebras
e se entregar
a ondas frêmitas de ardor inconfesso.



Olhos fechados
poesia em cílios
desejo alquebrado,

cego
por volúpias de ondas
intumescidas de sangue

em profusão.



Escuridão luminosa
em ponto incandescente
olhos não mais vêem
sentem o estopim da ardência
pele com pele, atrito de essência.



Vendados, olhos abertos
entregues, ora fechados
marejam lágrimas
de ter sido nós
em cegueira translúcida de paixão.




O Pôr-de-Nós.



Ana Paula Perissé



Um comentário:

Fada do Mar Suave disse...

Ana Paula Perissé e Anke Merzbach

Mais uma vez agradeço a contribuição de vocês, grandes e amadas artistas, para o Blog, que trouxe luz e inteligência com sua poéticas, visual e escrita para nossos leitores.
Também agradeço de coração por ter embelezado e enriquecido este espaço que a todos agradam, pela gentileza de permitir o uso de suas imagens e poesias e principalmente por estar nos seguindo, o que é motivo de orgulho e felicidade para nosso grupo, que tem o intuito de levar o que há de melhor na arte e cultura para aqueles que aqui passam.
Todas as postagens deste blog é pesquisado, estudado com muito carinho para vocês que nos visitam e que com sua sensibilidade deixa o registro para os artistas.
Com muito carinho da Fada do Mar Suave.