Balthus







NO ESCURO DO NADA




Mãos aquecidas
Sobre os olhos fechados
Corpo parado e relaxado
Nada existe
O tempo pára
Os sentimentos não existem
E a certeza de ser tarde
É palpável.




Ysolda Cabral


Um comentário:

Fada do Mar Suave disse...

Querida poeta Ysolda

Sua poesia enobreceu este espaço com sua sensibilidade, delicadeza e beleza. Foi maravilhoso tê-la nesta página compondo com a beleza da poética visual de Balthus.
Agradeço de coração, sua contribuição para este espaço que leva o que há de melhor na poesia e na arte para o deleite de nossos visitantes.
Sei que todos que passaram por aqui levaram consigo a magia e a beleza de seus versos e rimas.
Agradeço também aqueles que deixaram seus registros enaltecendo nossos artistas.
Um grande abraço da Fada do Mar Suave.