Kika Goldstein







CONTOS DA MEIA NOITE






Depois de amanhã é ano novo.
Cheguei ontem em São Paulo
Preparando-me para o sorriso de meu amor.



Ligo o rádio para voar o tempo
Pego a caneta e antes de escrever um poema
me rebaixo em contas infinitas.



O tempo passa em compasso egoísta
Ainda assim, descanso a caneta e as camisas já estão passadas
E troco o rádio pela TV sem graça.



Estou enfadado... Não sei o que faço...
Mas na hora de meu total desalento
O milagre pula em forma de programa.



Começo a ver e ouvir um conto na TV,
Brasileiro por princípio e adorável por essência.
É meia-noite, e a arte se funde na tosca tela.



Paraíso de novidade!
A cultura mata por segundos a massificação vulgar.
É presente de ano novo
É novidade viva, com cheiro de arte e povo...




Éric Meireles de Andrade


Um comentário:

Fada do Mar Suave disse...

Kika Goldstein

Agradeço sua amizade, sua confiança em autorizar a postagem de sua obra de arte. Sua presença tão gentil e simpática com nosso blog, permitiu nossos visitantes fruírem sua arte e se emocionarem com ela. Trouxe um brilho intenso para este espaço, que é feito com todo o carinho visando levar o Belo para nossos amigos.

A você, Éric Meireles de Andrade, agradeço a parceria neste canto poético e amigo. Sua poesia a todos encantam e desde já está convidado a novas jornadas para a alegria dos amantes da poesia.

Nossa gratidão a todos que nos prestigiaram, aos que deixaram suas mensagens que tanto nos enriquecem, e esperamos contar sempre com seu apoio e prestigio aos nossos artistas e poetas.
Com muito carinho da Fada do Mar Suave.