Kika Goldstein








MINAS QUE TARDIA





Até onde vou
Posso segurar o mar nas montanhas,
Onde falo, sinto e vivo,
Estarei indo ao vento de minha Minas,
Gritando por seu triângulo libertário.




Onde estou, como e calo,
Jogo no gargalo a pinga de família
Lacrada pelo latifúndio sombrio.




Onde choro, declamo meu penar.
Passo nas garoas sedutoras,
Sonhando com chuvas chorosas,
Bondosas, como a paz
Que ainda tardia...





Éric Meireles de Andrade


2 comentários:

Moema Andrade - MG disse...

Que coisa mais fofa este olhar para o céu estrelado! que expressão! É a arte tocando meu coração. uma doçura de poesias do Eric Meireles de Andrade. Fico muito feliz quando estou aqui.
Obrigada Fada do Mar.
Moema Andrade

Fada do Mar Suave disse...

Kika Goldstein

Agradeço sua amizade, sua confiança em autorizar a postagem de sua obra de arte. Sua presença tão gentil e simpática com nosso blog, permitiu nossos visitantes fruírem sua arte e se emocionarem com ela. Trouxe um brilho intenso para este espaço, que é feito com todo o carinho visando levar o Belo para nossos amigos.

A você, Éric Meireles de Andrade, agradeço a parceria neste canto poético e amigo. Sua poesia a todos encantam e desde já está convidado a novas jornadas para a alegria dos amantes da poesia.

Nossa gratidão a todos que nos prestigiaram, aos que deixaram suas mensagens que tanto nos enriquecem, e esperamos contar sempre com seu apoio e prestigio aos nossos artistas e poetas.
Com muito carinho da Fada do Mar Suave.