Svetlana Valueva



 
 
 
 


Mágoas


Quando nasci, num mês de tantas flores,
Todas murcharam, triste, langorosas,
Tristes fanaram redolentes rosas,
Morreram todas, todas sem olores.

Mais tarde da existência nos verdores
Da infância nunca tive as venturosas
Alegrias que passam bonançosas,
Oh! Minha infância nunca teve flores!

Volvendo a quadra azul da mocidade,
Minh'alma levo aflita à Eternidade,
Quando a morte matar meus dissabores.

Cansado de choras pelas estradas,
Exausto de pisar mágoas pisadas,
Hoje eu carrego a cruz das minhas dores!


Augusto dos Anjos

2 comentários:

Natália Muzzi disse...

Surpreendente, inovador, emocionante e belíssimo este blog. Sempre que entro tem novidades e postagens que me emociono ao chegar às lágrimas. Esta arte de Svetlana Valueva é de tirar o fôlego. O movimento feminino o seu colorido e seus gestos elegantes nos da orgulho de ser mulher e esta artista desperta estes sentimentos em suas telas. As poesias e a música é um deleite para a alma.
Obrigada por repartir suas emoções e inteligência com seus amigos virtuais.

Fada do Mar Suave disse...

Agradeço a cada visitante, em especial aos que deixaram seus registros sobre esta postagem, e não posso deixar de fazer uma observação, o quanto é gostosa a relação com os meus amigos dos e-mails, que são assíduos navegantes e sempre enviam suas mensagens dizendo o que sentiram quando entraram em contato com estas artes.
Meu eterno agradecimento a cada um de vocês!
Beijos da Fada do Mar Suave.