Svetlana Valueva



 

 

 

 


A IDÉIA

De onde ela vem?! De que matéria bruta
Vem essa luz que sobre as nebulosas
Cal de incógnitas criptas misteriosas
Como as estalactites duma gruta?

Vem da psicogenética e alta luta
Do feixe de moléculas nervosas,
Que, em desintegrações maravilhosas,
Delibera, e depois, quer e executa!

Vem do encéfalo absconso que a constringe,
Chega em seguida às cordas da laringe,
Tísica, tênue, mínima, raquítica...

Quebra a força centrípeta que a amarra,
Mas, de repente, e quase morta, esbarra
No molambo da língua paralítica!


Augusto dos Anjos

2 comentários:

Anatércia Oliveira disse...

Fada querida parece ate que esse espaço azul foi feito pensando em mim, exclusivamente em mim, de tanto amor e alucinação que tenho por este Blog. Todo o santo dia, entro e aqui fico algumas horas. Uma honra e uma felicidade muito grande poder desfrutar desta galeria espetacular, que deixa-me mais bonita de tanta beleza que tem aqui. Leio e releio todas as poesias e não canso de admirar as artes. Parabéns com abraços de amor Ana

Fada do Mar Suave disse...

Agradeço a cada visitante, em especial aos que deixaram seus registros sobre esta postagem, e não posso deixar de fazer uma observação, o quanto é gostosa a relação com os meus amigos dos e-mails, que são assíduos navegantes e sempre enviam suas mensagens dizendo o que sentiram quando entraram em contato com estas artes.
Meu eterno agradecimento a cada um de vocês!
Beijos da Fada do Mar Suave.